Interfaces entre rádio e mídias locativas: o app AudioLab Geo e os desafios à inovação em comunicação Sonora

Marcelo Kischinhevsky, Alexandre Sztajnberg, Debora Cristina Lopez, Izani Mustafá, Anny Caroline Chagas, Camila Eleutério Gusmão, Michel Filippo, Amanda Luiza Pedrosa Magalhães

Resumen


O presente trabalho sistematiza os primeiros resultados do projeto de desenvolvimento de um aplicativo de áudio digital georreferenciado, o AudioLabGeo, que permite a escuta, em dispositivos móveis e computadores, de conteúdos radiofônicos sobre pontos de interesse histórico, geográfico, social e cultural. A iniciativa, que busca explorar as potenciais interfaces entre rádio e mídia locativa, é fruto de parceria entre o AudioLab (Laboratório de Áudio) da Faculdade de Comunicação Social (FCS) e o Laboratório de Ciência da Computação (LCC) do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), visando à constituição de uma plataforma colaborativa, reunindo diversas instituições de ensino superior, não apenas do Brasil, mas em nível internacional. No percurso, serão abordadas as barreiras a iniciativas innovadoras e transdisciplinares em universidades públicas brasileiras.


Palabras clave


comunicação, rádio, mídia locativa, inovação

Texto completo:

PDF

Referencias


Bachura-Wojtasik, J. (2014). Radio days (are now). The radio marketplace of innovation in the context of audio-visual culture. In M. Oliveira, G. Stachyra y G. Starkey (Eds.). Radio: The resilient medium. Papers from the third conference of the ECREA Radio Research Section. Sunderland: Centre for Research in Media and Cultural Studies.

Behrendt, F. (2012). The sound of locative media. Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies, v. 18, n. 3: 283-295.

Brittos, V. C. (2002). O rádio brasileiro na fase da multiplicidade da oferta. Verso & Reverso. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, ano 16, n. 35: 31-54, jul.-dez.

Chistensen, C., Raynor, M., McDonald, R. (2015). What is disruptive innovation? Harvard Business Review. Dez. Disponível em: https://hbr.org/2015/12/what-is-disruptive-innovation.

Edison Research e TRITON (2016). The Infinite Dial. Disponível em: http://www.edisonresearch.com/wp-content/uploads/2016/03/The-Infinite-Dial-2016.pdf, acesso em 11/07/2017.

Ferraretto, L. A., Kischinhevsky, M. (2010). Rádio e convergência: uma abordagem pela economia política da comunicação. Revista Famecos, Mídia, Cultura e Tecnologia, Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, v. 17, n. 3: 172-180, set.-dez. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/8185/5873.

Garcia, R., Calantone, R. (2002). A critical look at technological innovation typology and innovativeness terminology: a literature review. Journal of Product Innovation Management, 19: 110–132.

Kischinhevsky, M. (2016). Rádio e mídias sociais – Mediações e interações radiofónicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: Ed. Mauad X.

— (2014). Descaminhos da digitalização do rádio no Brasil, in: M. B. Machado, R. S. Lopes. Socicom Debate – Democratização da Comunicação. Disponível em: http://www.socicom.org.br/SocicomDebate.pdf. São Paulo: Socicom.

Lemos, A. (2010). Jogos móveis locativos. Cibercultura, espaço urbano e mídia locativa. Revista USP, n. 86: 54-65, jun.-ago.

— (2008). Mídias locativas e territórios informacionais. In L. Santaella, P. Arantes (Org.). Estéticas tecnológicas. Novos modos de sentir. São Paulo: Educ.

Lopez, D. C. (2017). La radio en narratives immersives: le contenu journalistique et l’audience. Cahiers d’histoire de la Radiodiffusion, 132, abr.-jun.

Palacios, M. (2003). Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo on-line: o lugar da memória. In: Machado, Elias; Palacios, Marcos (Eds.). Modelos de jornalismo digital. Salvador: Calandra.

Palacios, M., Barbosa, S., Silva, F. F. da, Cunha, R. da (2015). Jornalismo móvel e inovações induzidas por affordances em narrativas para aplicativos em tablets e smartphones. In: J. Canavilhas, I. Satuf (Org.). Jornalismo para dispositivos móveis: produção, distribuição e consumo. Covilhã: Livros LabCom.

Parry, N., Bendon, H., Davis, S. B., Moar, M. (2009). Exploring Narrative Strategies for Scalable Locative Audio Drama. 15th International Symposium on Electronic Art. Belfast, ago. Disponível em: http://researchonline.rca.ac.uk/898/1/ISEA09ParryEtAl.pdf.

Rogers, E. (1983). Diffusion of Innovations. 3ª. Ed. New York: The Free Press. Santaella, L. (2008a). Mídias locativas: a internet móvel de lugares e coisas. Revista Famecos. Porto Alegre: PUCRS, n. 35: 95-101, abr.

— (2008b). A estética política das mídias locativas. Nómadas. Bogotá: Universidad Central, Colômbia, n. 28, abr.

Steensen, S. (2009). What’s stopping them? Journalism Studies, v. 10, n. 6, pp. 821-836.

Weiss, A. S. (2013). Exploring News Apps and Location-Based Services on the Smartphone. Journalism & Mass Communication Quarterly. V. 90, n. 3, 435–456.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia



 
Letra. Imagen. Sonido. Ciudad Mediatizada está indizada a partir de los criterios de calidad editorial establecidos por LATINDEX (Catálogo), Dialnet, REDIB y ERIH PLUS.

Publicación de la Carrera de Ciencias de la Comunicación, Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires. Equipo de Investigación UBACyT. Director: José Luis Fernández. 

Carrera de Ciencias de la Comunicación | Facultad de Ciencias Sociales | Universidad de Buenos Aires
Santiago del Estero 1029 - C1075AAU - Ciudad Autónoma de Buenos Aires - Argentina - Tel +54 (11) 4305-6087/6168.
 
Licencia Creative Commons ISSN: 1851-8931 - ISSN electrónico: 2545-658X